Pesquise outra noticia:



Preciosa
04/02/2011 - Fonte: Sandro Silva Araujo



Se você acha que sua vida está ruim por algum motivo, o ambiente no trabalho não é como você gostaria que fosse, ou não há dinheiro suficiente para seus gostos, assista "Preciosa – Uma História de Esperança" e baixe a bola.

Sua vida é um paraíso perto dos problemas enfrentados por Claireece Preciosa Jones, ou simplesmente, Preciosa. Em menos de 10 minutos de filme você vai entender que os seus problemas não são nada perto do que realmente sofrem algumas pessoas mundo afora. Não assistir "Preciosa" é perder uma oportunidade rara de descobrir que a vida – não apenas a dela, mas também a nossa – pode ser decodificada de uma forma mais generosa se nos reconhecermos em olhos dispostos a enxergar além dos estereótipos. Neste sentido, ao decidir assistir a este filme – tão diferente do que se costuma produzir em Hollywood – o espectador está se tornando parte da transformação de Preciosa. E isso é genial como proposta cinematográfica.

O filme

Tentando revelar o mínimo possível do que é a vida da protagonista Preciosa, é bom você saber que ela é negra, obesa (fatores que não deveriam ter maiores consequências, mas que a fazem enfrentar o preconceito que ainda há na sociedade), e espera o segundo filho de seu próprio pai. Não bastasse sofrer abusos sexuais por aquele que devia amá-la, protegê-la e educá-la, ela também é vítima de ofensas e agressões da mãe, e não sabe ler nem escrever. Diante disso, Preciosa se protege do mundo exterior de cara fechada, sem cruzar olhares com ninguém, tentando ser o mais invisível possível. Seu único refúgio são pequenos devaneios, geralmente sonhando com a possibilidade de viver entre o glamour e o amor que faltam na sua realidade. Por motivos que é melhor nem comentar aqui, afinal de contas, desejo que você assista ao filme, Preciosa é convidada a ir para uma escola especial, e ali sua nova professora, Sra. Blu Rain, com muita paciência vai ensinando Preciosa e suas colegas muito mais do que colocar as letras em ordem para ler e escrever. Mas não ache que o filme vai cair no lugar-comum da professora que vai levar suas alunas a enxergar que estão desperdiçando suas vidas e colocá-las na linha. O papel da Sra. Rain é o de ensinar a Preciosa a exteriorizar seus sentimentos, o que vai ajudá-la a exorcizar alguns de seus mais terríveis traumas e temores.

Uma história de esperança

Esse foi o subtítulo brasileiro para o filme, pois a principio, a trama pode parecer uma daquelas excessivamente melodramáticas, mas serve de alento para quem vive dramas parecidos. É um filme forte. Mas se puder, encare esta empreitada, você vai sentir na pele o que Preciosa sofre e ficar com muita raiva, se emocionar, sofrer, sorrir e chorar. Muito! Você estará à frente de uma obra que pode parecer sobre determinada raça ou classe social, mas se vista sem pré-conceitos, é um tratado sensível e universal sobre a força do ser humano, diferenças, tolerância, amor, respeito, amizade e sim, esperança – fatores com os quais convivemos diariamente sem ás vezes nos darmos conta. Se você estiver atolado na vida porque lhe fizeram acreditar em uma única versão, não acredite! Assista "Preciosa, uma história de esperança" e reaja. Exercite a dúvida sobre si mesmo – e sobre o outro. Será que é assim mesmo? Será que isso é tudo o que sou? Será que é só isso que posso ser? Tornar-se adulto é ter a coragem de se contar como alguém múltiplo e contraditório, um habitante do território das possibilidades. No filme, Preciosa diz uma frase maravilhosa, num dia especialmente tenebroso. Algo assim: "Que bom que Deus ou não sei quem inventou os novos dias". É isso. Há sempre um novo dia para todos nós. Um em que podemos nos reinventar.